fbpx

A genialidade de Todd Rundgren: a história por trás de Hello It’s Me

Criar um hino do rock que perdure geralmente exige anos de refinamento artístico e atenção meticulosa aos detalhes. Mas há ocasiões em que artistas específicos, como Todd Rundgren, parecem criar clássicos atemporais como Hello It’s Me com aparente facilidade e pouco esforço deliberado.

Por outro lado, Todd Rundgren não se tornou um músico excepcional da noite para o dia. De acordo com a Far Out Magazine, ao longo dos anos nos bastidores do rock and roll na década de 1960, ele normalmente buscava expandir sua arte como músico em vez de criar grandes sucessos nas paradas. Isso significava que ele tinha muito tempo para tocar e muito tempo para ouvir.

Ouvindo quase de tudo, Rundgren não deixava nada de fora quando chegava a hora de trabalhar na música. Olhando as credenciais dele e sabendo que tinha um ouvido apurado, principalmente quando se tratava de produção, é que vemos a versatilidade dele como artista. Tocando ao lado de lendas como Ringo Starr e se tornando um dos produtores mais requisitados na história do punk, ajudando artistas como The New York Dolls a decolar.

Embed from Getty Images

Quando ainda era adolescente, Rundgren buscava tornar realidade o tipo de música que ouvia em sua cabeça. Após absorver os sons do rock and roll que ouvia na Invasão Britânica, Rundgren também estava ouvindo músicas que nunca veriam a luz do dia no rádio, incluindo uma quantidade considerável de harmonia jazz.

Procurando combinar dois de seus gêneros favoritos sob o mesmo teto, Hello It’s Me foi produto da primeira sessão de composição de Rundgren. Mesmo que não seja justo algo tão complicado sair de uma vez, Rundgren admitiu que as linhas melódicas clássicas nesta música podem não ser realmente dele.

Ao falar com Brian D’Addario, do The Lemon Twigs, Rundgren lembrou-se de ter pegado a maior parte do riff do grande jazzista Jimmy Smith, dizendo: “A primeira música que escrevi, ironicamente, foi Hello It’s Me’,que incorporou elementos de improvisação do organista de jazz Jimmy Smith. Ele tinha um disco ao vivo onde fazia essa introdução a uma música, e eu simplesmente roubei essas mudanças e escrevi algo por cima.

Crédito: Martin Kielty

Ainda que Rundgren tenha confessado esse pequeno delito, ele insistiu que não há como ter uma ideia completamente original ao começar, explicando: “Mas a composição de músicas é meio como plágio, de qualquer forma, porque há apenas tantas notas. Ocasionalmente você terá que incorporar influências, mesmo que não esteja pensando conscientemente nelas.

Mesmo que seja sofisticado o suficiente para o rock and roll, é fácil imaginar que a maior parte da melodia vem de um experiente profissional de jazz, soprando através de diferentes frases e deixando rastros de genialidade em seu encalço. Embora Rundgren tenha eventualmente composto obras grandiosas que apenas os mais habilidosos em sua área poderiam ter escrito, toda a sua jornada foi fundamentada em uma faixa que talvez necessite de alguns créditos adicionais de coautoria.

Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media


Assine nossa newsletter!

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.


Últimas notícias

Publicidade