fbpx

O momento em que Paul McCartney anunciou o fim dos Beatles

Suportar a Beatle Mania deixaria qualquer ser humano cansado, em meados dos anos 60 os ‘The Fab Four’ ainda não tinham começado a explorar o seu potencial. E o Abbey Road Studios se tornou seu lar pelos anos seguintes. Pouco depois de retornarem de um retiro de meditação na Índia, porém, as coisas começaram a sair dos trilhos.

Sem ninguém da banda na mesma página, as coisas começaram a se fragmentar à medida que cada membro começou a escrever seu próprio material. 

Essas sessões ocorreram mais ou menos na mesma época em que John Lennon também insistiu em trazer sua nova paixão, Yoko Ono para o estúdio de gravação, onde ela daria sua opinião honesta sobre o que achava das músicas. Embora o resto do grupo tenha ido adiante, as sessões do The White Album foram alimentadas pela tensão.

O crescimento como compositor dos Beatles

Como Lennon, Paul McCartney e George Harrison estavam se tornando compositores por conta própria, cada faixa do disco era praticamente quatro Beatles fazendo um álbum com seu material solo, usando o resto dos membros como meros músicos de estúdio. 

Os Beatles poderiam permanecer no caminho certo, mas uma mudança de cenário era necessária.

Depois de debater uma ideia para um evento multimídia, McCartney sugeriu que eles fizessem um álbum raiz, aproveitando seus dias de banda de bar em Liverpool. Quando chegaram ao Twickenham Film Studios, tudo desmoronou novamente, incluindo Harrison que saiu de uma sessão e deixou os Beatles por algumas semanas enquanto eles se reagrupavam.

Embora eles tenham se reconciliado, ficou claro que a ideia de um disco buscando as raízes da banda, não funcionaria. 

Com alguns registros de estúdios guardados anos antes de serem incluídas no álbum Let it Be e reunindo-se novamente, Abbey Road tornou-se um trabalho de amor para a banda e um prazer para os fãs, fazendo um disco épico para encerrar sua carreira.

Pelo menos foi nisso que se transformou. O plano original era que os Beatles fizessem uma pausa em tudo, mas as feias negociações comerciais entre Allen Klein e McCartney começaram a surgir. 

Embora McCartney quisesse negociar com seu sogro Lee Eastman, o conflito entre ele e o resto dos membros criou uma divisão clara quando a banda escolheu Klein.

Enquanto isso, McCartney trabalhava arduamente para fazer sua música, pensando que toda a questão comercial era apenas um problema minúsculo. 

Essas músicas se transformaram em seu primeiro álbum solo McCartney. O álbum é composto por diferentes músicas demo, bem como uma de suas primeiras obras-primas solo, Maybe I’m Amazed.

Quando McCartney oficializou o álbum, a animosidade entre os Beatles só havia ficado mais forte. Em vez de dar entrevistas para promover seu álbum de estreia, ele decidiu que um de seus amigos conduzisse uma entrevista com ele para ser incluída no encarte do álbum.

Originalmente, McCartney não queria chamar muita atenção para os problemas dos Beatles na imprensa, então seu objetivo com a entrevista seria lançar alguma luz sobre o que havia acontecido nos últimos meses de silêncio. Embora os fãs tenham ficado emocionados ao ouvir novas músicas de um Beatle no mundo, eles ficaram chocados ao ler seu anúncio.

Quando conduzido por um amigo, McCartney respondeu às perguntas com o mínimo de emoção possível, limitando-se a respostas de uma só palavra e nunca dando aos fãs esperança de que os Beatles ainda estejam se dando bem. Embora McCartney tenha tentado minimizar seu papel na separação dos Beatles, esta entrevista o transformou no Inimigo Público nº 1 para seus companheiros de banda, pensando que ele usaria a entrevista como promoção para seu último álbum.

A entrevista começa relativamente curta e seca ao discutir as músicas do álbum antes de perguntar a Macca sobre o futuro dos Beatles. Quando questionado sobre a separação, McCartney atribui isso a diferenças de opinião, dizendo, “Diferenças pessoais, diferenças comerciais, diferenças musicais, mas acima de tudo porque Eu me divirto melhor com minha família. Temporário ou permanente? Eu realmente não sei”.

Quando questionado se ele via um momento em que Lennon-McCartney escreveriam juntos novamente, McCartney causou todos os danos ao dizer uma palavra: “NÃO”. Em todo o mundo, McCartney tornou-se “o homem que acabou com os Beatles”, e ninguém ficou mais chateado do que Lennon. Antes mesmo de McCartney se juntar ao grupo, Lennon era conhecido como o líder de fato do grupo e não perdeu tempo em atacar McCartney.

Crédito: Michael Ochs 

Embora a separação dos Beatles fosse inevitável, Lennon afirmou estar amargurado em uma entrevista à Rolling Stone em 1971, dizendo: “Acho que [Paul] afirma que não era sua intenção que isso acontecesse, mas isso é besteira. Ficamos todos magoados por ele não ter nos contado o que ia fazer”. Lennon também não se conteve em suas críticas ao álbum de McCartney, dizendo: “Achei que o de Paul era uma porcaria. Acho que ele fará um melhor… quando estiver com medo”.

Relembrando a forma como a mídia atacou seus comentários, McCartney falou sobre ter sido devastado pela separação em entrevista a serie McCartney 3, 2, 1 do streaming de vídeo Hulu conduzida pelo produtor Rick Rubbin.

Macca comentou: “Fiquei com o coração partido. Achei que ficaria nessa banda para sempre”. Ao ver Lennon arrastando seu nome na lama dos jornais, ele decidiu reagir ao seu antigo parceiro de escrita com música.

Para não ficar para trás, McCartney voltou ao estúdio para gravar RAM com sua esposa Linda e uma música dirigida a Lennon. Após a dissolução de sua banda, McCartney escreveu Too Many People referenciando a propensão de Lennon para a pregação e disse a revista Mojo.

“Muitas pessoas praticam a pregação.’ Senti que isso era verdade em relação ao que estava acontecendo com John. ‘Faça isso, faça aquilo, faça isso, faça aquilo’”.

Depois de ouvir as falas de McCartney, Lennon em seu  álbum seguinte Imagine, apresentou uma música com foco diretamente nele. Em How Do You Sleep, Lennon é cruel com seu ex-parceiro de composição, trazendo Harrison para tocar slide guitar enquanto afirma que McCartney não importava mais e precisava seguir em frente com sua vida.

A reconexão entre Paul McCartney e John Lennon

Quando a poeira baixou, Lennon e McCartney tentaram consertar as coisas, com McCartney escrevendo uma canção de desculpas, ‘Dear Friend’, e Lennon falando sobre o álbum de seu ex companheiro de banda ao The Atlantuc

“Acho que isso provavelmente vai assustá-lo e fazê-lo fazer algo decente, e então ele vai me assustar para fazer algo decente, algo assim. 

Apesar de todas as palavras selvagens e problemas de negócios, eles estavam competindo entre si para fazer a próxima grande canção de rock.

Os  Beatles com certeza iriam se separar, mas ‘The Cute Beatle’ acabou sendo o único a levar a culpa por todos os outros. É claro que aquela entrevista encartada em seu primeira disco solo ajudou, bem como a batalha musical entre Lennon e McCartney em seus álbuns solo.

Indiferente do lado que você está, o fato é que os Beatles foram e são a maior banda do mundo e sua obra está eternizada nos corações dos fãs.

Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media


Assine nossa newsletter!

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.


Últimas notícias

Publicidade