fbpx

O filme cult de Mel Gibson que Quentin Tarantino chamou de obra-prima

Mel Gibson, uma vez considerado um dos queridinhos de Hollywood, agora é uma figura que divide opiniões no mundo do cinema contemporâneo. Acusado repetidamente de homofobia e antissemitismo, Gibson foi colocado na “lista negra” pela indústria cinematográfica devido a suas várias declarações controversas, segundo noticiado pela Far Out Magazine. No entanto, apesar das controvérsias, seus filmes têm recebido elogios, com Quentin Tarantino o considerando um mestre do cinema.

Gibson recebeu inúmeros prêmios ao longo de sua carreira, desde Oscars por Coração Valente até prêmios AACTA por Até o Último Homem. Apesar das polêmicas pessoais, sua habilidade como diretor é reconhecida pela crítica. Tarantino, conhecido por sua paixão pelo cinema tradicional, continua admirando o trabalho de Gibson, mesmo com as críticas que cercam sua persona pública.

Durante uma entrevista da Sight & Sound em 2008, o diretor de Pulp Fiction foi questionado sobre suas opiniões sobre a cinematografia digital e seus praticantes. Purista óbvio, com uma extensa coleção de fitas VHS e um forte carinho pelo cinema tradicional, há muito tempo Tarantino sustenta que o cinema digital é prejudicial ao futuro do meio. No entanto, ele fez algumas concessões ao discutir a prática durante esta conversa.

Para mim, 97% do uso do digital é preguiça”, afirmou o diretor Quentin Tarantino. “Eles estão tentando tornar as coisas mais fáceis para si mesmos, e isso fica evidente. Mas nos casos em que eles estão criando um cenário cinematográfico totalmente novo, não posso ser grosseiro quanto a isso. Eu tenho que desistir. Acrescenta outra possibilidade de contar histórias e criar imagens.

De acordo com Tarantino, o cinema digital pode oferecer novas formas de conceber o cinema, mas muitas vezes é empregado como uma mera ferramenta conveniente, em vez de uma fonte de inovação. O renomado cineasta criticou diretores proeminentes como David Fincher por adotarem a cinematografia digital, argumentando que os resultados são desprovidos de interesse.

Apocalypto acompanha a jornada de um caçador mesoamericano durante o declínio da civilização maia. O filme foi um sucesso tanto comercial quanto de crítica, conquistando a admiração de cineastas como Tarantino e Martin Scorsese. Para Gibson, foi um ponto alto em sua carreira, talvez um dos últimos diante das controvérsias que o cercam.

Na época, Tarantino chamou Apocalypto de a maior conquista cinematográfica daquele ano. Porém, para o cineasta Reservoir Dogs , as coisas eventualmente mudaram. Mais tarde, ele refletiu: “Achei que Apocalypto era uma obra-prima. Então descobri que [Mel Gibson] fez isso em formato digital e isso diminuiu o esforço para mim. Usando novamente a analogia do Monte Everest, a montanha ficou menor e a conquista foi um pouco menor.

Apesar das críticas e da polêmica, Mel Gibson continua a ser uma figura influente no mundo do cinema. Seus filmes continuam a cativar o público e a receber reconhecimento, mostrando que seu talento como diretor transcende as controvérsias pessoais. E, para admiradores como Tarantino, seu trabalho continua a inspirar e impressionar, independentemente das críticas.

Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media


Assine nossa newsletter!

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.


Últimas notícias

Publicidade