fbpx

Rock Rarity apresenta: AARDVARK

A partir de hoje aqui no Disconecta estreamos uma nova coluna semanal, chamada ROCK RARITY apresenta. Nesta coluna iremos trazer à você bandas obscuras dos mais diversos gêneros para seu conhecimento. Pra esta primeira matéria, separamos a banda AARDVARK do Reino Unido.

Uma sonoridade Progressiva, sem guitarras, na qual os teclados teriam grande destaque, era exatamente o que o quarteto britânico AARDVARK se propôs a fazer. O primeiro disco autointitulado da banda, foi lançado em 1970 e os músicos que participaram da gravação foram Stan Aldous no baixo, Frank Clark na bateria, Steve Milline nos teclados, gravador e vibrafone e Dave Skillin nos vocais. Definir o som do AARDVARK talvez não seja muito fácil, mas o ouvinte poderá dizer que sua música tem o poder do trio Emerson, Lake and Palmer mesclado com um pouco de Rhythm & Blues à la PROCOL HARUM.

Como é de se esperar, as composições são fortemente baseadas no órgão Hammond, onde o peso da música que está sendo realizado pelo fuzzed-up, de uma certa maneira simula o trabalho de uma guitarra “distorcida”. Há também uma boa participação do piano, e os vocais crescentes de Skillin são bem agradáveis. As músicas, embora não sejam muito originais, são bastante melódicas e apresentam alguns bons refrões harmônicos.

Stan Aldous, Dave Skillin, Frank Clark e Dave Watts

Abrindo o disco, Copper Sunset começa com um forte riff de teclado e é bom um exemplo de música simples e direta. As duas músicas seguintes continuam com um estilo bem similar. Very Nice of You to call apresenta um piano bacana que de alguma forma sugere alguma banda Pop dos anos sessenta, e Many Things to Do tem um verso que se repete monotônicamente. The Greencap tem vocais difusos lembrando 21st Century Schizoid Man, do KING CRIMSON, e I Can’t Stop, fecha o lado A do vinil com interessantes soluções rítmicas e reviravoltas.

O lado B talvez seja o que mais agrade o ouvinte e principalmente o fã de Prog psicodélico. Outing – Yes é uma composição que traz um Rock bem humorado, liderado pelo órgão hammond, mas logo em seguida as interferências psicodélicas assumem o controle, e o ouvinte incauto é afundado em um mar de caos tonal. Algo como  uma homenagem a Interstellar Overdrive do PINK FLOYD.  À seguir, Once Upon A Hill, se contrapõe a loucura de Outing. É bastante calma e traz um vocal bastante emocionante a seguindo num estilo Lullaby (Canção de ninar), a faixa termina com uma ótimo órgão de igreja. Os 7 minutos e 35 segundos de Put That In Your Pipe and Smoke It encerra o disco, que segue com o órgão de forma bastante organizada até que uma certa insanidade rítmica surge. Stan Aldous  é simplesmente brilhante na base insana que criou. Enquanto isso  Steve Milliner traz alguns duelos de melodias, enquanto Frank Clark e seu bumbo atropelam o ouvinte desatento.

Em resumo Aardvark é um esforço musical honesto e interessante, recomendado para colecionadores de discos do início dos anos 70, apaixonados por órgão Hammond, e fãs de Heavy Prog e de bandas contemporâneas do AARDVARK, como  SPRING, CRESSIDA e FIELDS.

Em 2016, um segundo trabalho do AARDVARK foi lançado por um selo independente. Essas lendas do Rock do início dos anos 1970, emergiram de seu underground com um novo álbum impressionante gravado apenas por Dave Skillin e Steve Millliner.

Artista: AARDVARK
Album: Aardvark
Ano: 1970
País: Reino Unido
Gênero: Heavy Prog

Faixas

01. Copper Sunset (3:17)
02. Very Nice Of You To Call (3:39)
03. Many Things To Do (4:22)
04. Greencap (6:04)
05. I Can’t Stop (5:28)
06. Outing (9:50)
07. Once Upon A Hill (3:03)
08. Put That In Your Pipe (7:13)
Duração: 42:56

Músicos:
– Dave Skillin: vocais
– Steve Milliner: piano, celesta, Órgão Hammond, gravador, vibraphone, marimba
– Stan Aldous: baixo
– Frank Clark: bateria, percussão

Autor

  • Fabio Costa

    Desde os 13 anos de idade quando conheceu o rock sua vida ganhou outro sentido. Costuma dizer que tem o bichinho da curiosidade, e isso sempre o impulsionou a pesquisar e conhecer mais e mais bandas de variados estilos e épocas, principalmente dentro da Música Progressiva, sua maior paixão. É dono dos blogs “A Máquina de Fazer Sonhos” (amakina.blogspot.com) e “Rock Story” (rockstoryblog.blogspot.com), e atualmente apresenta os programas “Rock Laser” e “Na Hora do Rock” pela ProgSky web radio (ProgSky.com), nos quais deseja proporcionar ao ouvinte o mesmo prazer que sente ao ouvir música de qualidade.

6 respostas para “Rock Rarity apresenta: AARDVARK”

  1. Avatar de Sergio Motta
    Sergio Motta

    Muito bom Fábio. Parabéns pela excelente matéria sobre o Aardvark! Que venham mais matérias como essa abrangendo ótimas bandas dorante.

  2. Avatar de Márcia Tunes

    Grande Fábio, bela resenha!

  3. Avatar de Cláudio Dantas

    O Fabio foi uma excelente aquisição, Disconecta! Pessoa maravilhosa e profundo conhecedor do assunto!

  4. Avatar de Eduardo Klein
    Eduardo Klein

    Muito bom e não poderia ser diferente. Afinal, o Fábio já mostrou ser um grande conhecedor do rock progressivo. Parabéns.

  5. Avatar de Marcio Sá

    Grande Fábio, parabéns por seu trabalho na divulgação musical que é imprescindível e de altíssima qualidade. Obrigado por nos agraciar com seu conhecimento e dedicação.

  6. Avatar de Élio Cordeiro
    Élio Cordeiro

    Uma bela resenha com muitos detalhes desse álbum que eu não conhecia.
    Espero outras tão boas qto essa.
    Parabéns Fábio, pelo belo trabalho !

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media


Assine nossa newsletter!

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.


Últimas notícias

Publicidade