fbpx

Banco Del Mutuo Soccorso: a história da banda

Originária de Roma, Itália, e fundada em 1969, a banda teve um período ativo de apresentações ao vivo que durou de 1997 até 2018. Em 2016, a banda passou por um processo de reformulação, marcando um novo capítulo em sua trajetória

Uma das bandas de rock progressivo mais importantes da Itália, o BANCO, junto com Le Orme e PFM, são considerados os três grandes do gênero Rock Progressivo Italiano (RPI). Essa reputação se deve não apenas à sua longevidade e sucesso em seu país natal, mas também por terem conseguido reconhecimento internacional, algo raro para muitos de seus contemporâneos.

Apesar de seu primeiro álbum ter sido lançado apenas em 1972, o Banco del Mutuo Soccorso foi formado em 1969. Sua música é caracterizada pela impressionante habilidade dos irmãos Nocenzi, Gianni e Vittorio, nos teclados. A formação inicial da banda sofreu várias mudanças antes do lançamento de qualquer gravação, incluindo os bateristas Franco Pontecorvi e Mario Achilli, o baixista Fabrizio Falco e os guitarristas Gianfranco Coletta e Claudio Falco. Esta formação inicial gravou material que só seria lançado em 1989, no álbum “Donna Plautilla”.

Para a gravação de seu primeiro álbum, juntaram-se aos irmãos Nocenzi o guitarrista Marcello Todaro (ex-Fiore di Campo) e três membros da banda Le Esperienze: o vocalista Francesco Di Giacomo, o baterista Pier Luigi Calderoni e o baixista Renato D’Angelo. Seu primeiro álbum homônimo foi um trabalho surpreendentemente maduro de rock progressivo sinfônico e inventivo com influências clássicas, apresentando uma execução musical excepcional e a entrega vocal emocional de Di Giacomo. Esse álbum foi rapidamente seguido pelos igualmente aclamados “Darwin” e “Io Sono Nato Libero”, formando um trio de álbuns essenciais para qualquer pessoa interessada no gênero RPI.

Após a gravação de “Io Sono Nato Libero”, houve uma mudança de guitarrista, com a saída de Todaro, que se juntou à banda Crystals, e a entrada de Rodolfo Maltese, ex-Homo Sapiens. Nesse período, a banda tentou expandir sua popularidade fora da Itália e lançou o álbum “Banco”, cantado em inglês, pela gravadora Manticore de ELP. Este álbum era na verdade uma compilação, consistindo principalmente de regravações das músicas de seus três primeiros álbuns, com exceção de uma faixa. Para promovê-lo, eles fizeram turnês pelos EUA e Reino Unido, mas com sucesso limitado. “Banco” foi seguido em 1976 pela trilha sonora do filme “Garofano Rosso” e no mesmo ano foram lançadas duas versões do mesmo álbum, uma em italiano e outra em inglês, “Come In Un’Ultima Cena” e “As In A Last Supper”. Em 1978, lançaram outro álbum instrumental, “…Di Terra”, desta vez incorporando uma orquestra.

Em “Canto Di Primavera“, o baixista D’Angelo foi substituído por Gianni Colaiacomo, e após isso a banda entrou em um período de menor interesse para os fãs de prog, adotando uma direção mais comercial e pop. Em 1983, Gianni Nocenzi deixou a banda, e os anos seguintes viram a entrada e saída de vários músicos e uma série de álbuns criticamente mal recebidos, pelo menos na comunidade prog.

Indícios de um retorno às raízes prog surgiram em 1991, quando a banda regravou seu aclamado primeiro álbum e “Darwin”. No entanto, o pop/rock mais leve de “Banco 13“, lançado em 1994, mostrou que ainda era cedo para comemorar. Nenhum álbum de estúdio foi lançado desde 1996, mas a banda continuou com atividades ao vivo esporádicas e lançou vários álbuns ao vivo. Um dos mais interessantes é “Seguendo Le Tracce“, que captura um impressionante concerto de 1975, lembrando-nos do grande talento desta banda. 


O mais recente desses álbuns ao vivo é ”Quaranta”, uma gravação de 2010 anteriormente lançada como parte do box set Prog Exhibition. A formação da época incluía o vocalista Francesco Di Giacomo, Vittorio Nocenzi nos teclados, os guitarristas Rodolfo Maltese e Filippo Marcheggiani, o baterista Maurizio Masi, o baixista Tiziano Ricci e Alessandro Papotto no sax, flauta e clarinete. Infelizmente, Francesco Di Giacomo faleceu em um acidente de trânsito em 21 de fevereiro de 2014.

Discografia

A discografia da banda destaca-se por uma série de álbuns influentes e populares, especialmente nos anos 70 e início dos 80. Aqui está uma lista dos seus álbuns de estúdio, destacando alguns dos mais famosos:

  • “Banco del Mutuo Soccorso” (1972) Este foi o álbum de estreia da banda, e marcou sua entrada no cenário do rock progressivo italiano.
  • “Darwin!” (1972) Outro lançamento do mesmo ano, este álbum é frequentemente citado como um dos melhores no gênero do rock progressivo.
  • “Io Sono Nato Libero” (1973) Este álbum continuou a estabelecer a banda como uma força importante no rock progressivo.
  • “Banco” (1975) Inclui versões em inglês de músicas de álbuns anteriores, parte do esforço da banda para alcançar o mercado internacional.
  • “Garofano Rosso” (1976) Uma trilha sonora de filme, mostrando a versatilidade da banda.
  • “Come in un’ultima cena” (1976) Conhecido em inglês como “As in a Last Supper”, este álbum também foi parte do esforço da banda para alcançar audiências internacionais.
  • “…di terra” (1978) Um álbum instrumental que incorpora o uso de uma orquestra.
  • “Canto di Primavera” (1979): Este álbum combina rock progressivo com influências clássicas, mantendo o estilo único da banda.
  • “Urgentissimo” (1980): Caracterizado por uma abordagem experimental e ousada, representa uma evolução no som da banda.
  • “Buone Notizie” (1981): Marca uma mudança em direção a um estilo mais pop, refletindo as tendências musicais da época.
  • “Banco” (1983): Retorno às raízes progressivas, mesclando diferentes estilos e sonoridades.
  • “…e via” (1985): Continua a explorar a mistura de rock progressivo com elementos pop.
  • “Il 13” (1994): Após um hiato, a banda retorna com um som renovado, mas ainda fiel à sua essência.
  • “Nudo” (1997): Um retorno ao rock progressivo clássico, com composições complexas e letras profundas.
  • “Transiberiana” (2019): Esse é o primeiro lançamento da banda com músicas inéditas desde “Nudo” em 1997. Este álbum marca uma nova fase para a banda após a morte de seu carismático vocalista original, Francesco Di Giacomo, em 2014. Tony D’Alessio, conhecido por sua participação na edição italiana do “X-Factor”, assumiu como o vocalista principal do álbum.
  • Orlando: Le Forme dell’Amore” (2022): Este álbum, lançado no 50º aniversário da banda, é um trabalho conceitual baseado no poema épico do século 16, “Orlando Furioso”.

Além dos álbuns de estúdio, a banda também lançou vários álbuns ao vivo, como “Capolinea” (1979) e “No Palco” (2003), e uma série de compilações e regravações. Cada um desses álbuns reflete a capacidade da banda de se adaptar e explorar novos estilos musicais ao longo de sua carreira, mantendo sempre sua identidade musical.

Autor

  • Julio Mauro

    Júlio César Mauro é aquele típico nerd e pai de duas meninas, que tem seu jeito único – um pouco rabugento e com TDA. Não deu certo na música, mas encontrou seu caminho na TI, onde está há uns 26 anos. O cara é conhecido por não ter papas na língua e por um senso de humor bem afiado, que nem todo mundo entende. Já rolou até uma fase de co-apresentador no programa Gazeta Games na Rádio Gazeta de São Paulo, mostrando seu lado gamer. E, claro, a música? Continua sendo uma das suas grandes paixões.

    View all posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *