fbpx

Álbuns clássicos dos Butthole Surfers serã reeditados em vinil

Butthole Surfers, a icônica banda de rock do Texas, está se unindo à Matador Records para uma campanha de relançamento em vinil. A excêntrica banda de rock está iniciando esta série com o lançamento de versões remasterizadas de seus álbuns influentes – Psychic…. Powerless…. Another Man’s Sac (1985), Rembrandt Pussyhorse (1986) e a gravação ao vivo de 1984, PCPPEP.

Enquanto os amantes da banda podem desfrutar das versões digitais em várias plataformas de streaming, os verdadeiros aficionados por vinil podem marcar o dia 22 de março em seus calendários para o lançamento físico do LP.

A música central do relançamento é uma versão remasterizada da faixa Butthole Surfer, que oferecer um olhar da evolução sonora da banda. Além disso, o crítico de música Byron Coley fornece reflexões perspicazes sobre os Butthole Surfers(veja abaixo), adicionando uma perspectiva crítica ao projeto de relançamento.

A apresentação visual da edição atualizada do Butthole Surfer mostra a essência da vibrante história da banda, com fotografias cativantes de Gail Butensky capturando a energia crua da década de 1980.

Esse ressurgimento do vinil não apenas promete uma jornada nostálgica para os fãs de longa data, mas também apresenta a música inovadora dos Butthole Surfers a uma nova geração. A colaboração entre a icônica banda de rock e a Matador Records prepara o renascimento musical e ecoa o impacto dos Butthole Surfers na indústria da música.

Confira abaixo as novas edições no streaming:

Byron Coley sobre o Butthole Surfers:

Mais de quatro décadas depois, ainda me lembro de sair da minha introdução ao vivo aos Buttholes em um estado de confusão feliz. Em 1982, já havia muitas bandas que supostamente começaram como parte da cena hardcore americana, mas que estavam seguindo em outras direções. Uma dessas bandas era o Big Boys de Austin, cuja mistura de skatepunk de quebra de gênero e funk pronto era viciantemente brilhante. Fomos vê-los na Grandia Room de Los Angeles com expectativas baixas para os artistas de abertura, os Butthole Surfers, que imaginávamos ser apenas mais uma banda thrash do Texas com um nome “chocante”.

Os Buttholes já haviam começado sua apresentação quando chegamos lá, e ficou imediatamente evidente que sua abordagem sonora estava longe do que esperávamos. Algumas de suas músicas se assemelhavam a uma versão melhor e mais estranha dos Dead Kennedys, mas os trechos compreensíveis das letras soavam incríveis – “Há um momento para transar e um momento para desejar/Mas o Xá dorme no túmulo de Lee Harvey!” E o cantor e guitarrista pareciam estar competindo no concurso de malucos. Mesmo com as linhas de visão impossíveis da Grandia Room, a banda causou uma impressão real. Perguntei a Mike Watt o que ele sabia sobre eles, e ele apenas disse que eles estavam “fora de órbita”. O que eu levei como um bom sinal.

Quando seus discos começaram a chegar, eu os comprei mesmo estando na gravadora do Jello B (que geralmente boicotava). ‘PCPPEP’ (gravado na verdade após a versão inicial de ‘Another Man’s Sac’) soava mais pirado do que o disco de estúdio que o antecedeu, e também foi o primeiro a apresentar o poder da formação clássica da banda com dois bateristas (King Coffey e Teresa Taylor). O brutarianismo percussivo sincronizado desse par (falsamente rumorado como irmãos) forneceu a base perfeita para o blurt descontrolado das guitarras e vocais compartilhados por Gibby Haynes e Paul Leary. Não conseguimos ver os Buttholes novamente até que eles tocaram na Costa Leste em ’84, momento em que alguns baixistas haviam vindo e ido, e a banda havia evoluído para o modo completo de surto.

O início da década de 80 teve sua parcela de combos insanos – The Birthday Party, Black Flag e Minor Threat tinham o poder bruto de derreter sua mente em segundos. SWANS, Einsturzende Neubauten e Big Black criaram pressão sonora avassaladora o suficiente para realmente te achatar. E o Sonic Youth exibiu uma mistura tão vertiginosamente imprevisível de arte, cultura pop e violência que você às vezes saía de seus shows babando. Os Buttholes compartilhavam elementos com todos esses grupos, mas adicionavam uma borda psicodélica selvagem e uma propensão para o espetáculo bizarro.

Quando começaram a excursionar para apresentar e depois apoiar a versão reformulada de ‘Psychic…Powerless…Another Man’s Sac’, o show ao vivo dos Buttholes era uma extravagância louca e em evolução de estroboscópios, fumaça, pregadores de roupa, dança nua, megafones, loucura desvairada e música tão alucinantemente impressionante quanto a de qualquer banda que já existiu. ‘Another Man’s Sac’ também avançou loucamente em relação aos registros anteriores. Partes do LP envolviam sua borda punk em tanto grunhido e tagarelice que você quase não conseguia discernir, enquanto outros segmentos se estendiam a uma forma mutante de blues de garagem, e outros apenas se descontrolavam.

Este primeiro lote de relançamentos certamente vai agitar muita gente que achava que tinha uma boa compreensão das regiões exteriores da cena indie-rock dos anos 80. E embora as gravações não sejam a experiência totalmente imersiva dos Buttholes ao vivo, você ainda pode sentir como se tivesse caído em um buraco de coelho do tamanho do próprio Texas.

Este é o som dos Butthole Surfers antes de serem citados por Kurt Cobain e assinarem com a Capitol em um frenesi para não ficarem de fora da corrida indie-rock. Antes de terem um verdadeiro sucesso na Billboard com “Pepper”, de seu LP de 1996, ‘Electric Larryland’. Antes de as pessoas os verem como algo parecido com um precursor de grupos teatralmente excêntricos como Flaming Lips e Animal Collective. As primeiras gravações dos Buttholes para selos independentes e os shows que fizeram ao longo dos anos 80 são puros exemplares do vômito mais teimosamente dionisíaco já expelido.

Yippie Yi Yo!

Autor

Uma resposta para “Álbuns clássicos dos Butthole Surfers serã reeditados em vinil”

  1. […] a banda relançou seus albuns em edição de vinil, o que abriu uma esperança de ver a banda ao vivo novamente, mas pelo jeito, […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media


Assine nossa newsletter!

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.


Últimas notícias

Publicidade