fbpx

Roger Glover diz que decisão de recrutar Dweezil Zappa para remixar ‘Machine Head’ foi ‘provavelmente uma ideia de marketing’

Em uma nova entrevista à Eska Rock da Polônia, Roger Glover, membro do icônico Deep Purple, foi questionado sobre a decisão de recrutar Dweezil Zappa, filho de Frank Zappa, para remixar o álbum emblemático da banda Machine Head para a nova edição super deluxe. Dweezil se apresentou com o Purple no Montreux Jazz Festival de 2016, em um momento que foi descrito como um ciclo completo, considerando que Frank Zappa é mencionado na icônica faixa Smoke On The Water de Machine Head.

Quanto a como Dweezil acabou liderando o novo remix de Machine Head, Roger disse: “Não foi nossa escolha. Quero dizer, isso veio da gravadora. A gravadora queria Dweezil, por causa, obviamente, da conexão com o pai dele. E nós conhecemos Dweezil, acho, há quatro ou cinco anos. Ele subiu ao palco conosco e tocou algumas músicas quando tocamos no Montreux Jazz Festival. E eu realmente não o conheci muito bem. Ele era apenas um cara legal, e ele veio e tocou guitarra. Isso é tudo que me lembro, realmente, sobre isso. E quando eles disseram que queriam que Dweezil mixasse o álbum — bem, eu já tinha mixado o álbum para o aniversário de 25 anos, então [eu disse], ‘Bem, por que vocês precisam de outro remix?’ Mas eles disseram que queriam Dweezil. Acho que é provavelmente uma questão de marketing. Eles acharam que era uma ideia legal.”

Perguntado sobre como se sente ao saber que, após 50 anos, o material do álbum Machine Head ainda é amado por fãs antigos e novas gerações, moldando continuamente seus gostos musicais, Roger disse: “Eu suponho que, em uma palavra, a palavra que me vem à mente é humilde. Estou constantemente surpreso com o rumo da minha vida e de nossa vida como banda.

“Normalmente, quando você entra em uma banda nos anos 70, ela vai durar alguns anos ou três anos, e então você vai perder o público e volta a ser o que era antes, que é ninguém”, continuou. “Mas isso não aconteceu. E tudo se deve aos fãs. O que fizemos obviamente teve um valor duradouro. Eu não sei por quê. Eu me sinto muito sortudo, na verdade, por nunca ter tido um emprego, por ter começado em uma banda quando tinha 15 anos e ainda estar em uma banda aos 78. Não faz sentido para mim. Mas estou muito feliz com isso.”

Lançamento da “Machine Head: Super Deluxe Edition”

A “Machine Head: Super Deluxe Edition” foi disponibilizada em 29 de março como um conjunto de 3 CDs/LPs/Blu-ray pela Warner Records e Rhino Entertainment.

Destacando a coleção estão várias versões diferentes do álbum, incluindo novas mixagens em estéreo e Dolby Atmos por Dweezil Zappa. A mixagem quadrafônica de 1974 e uma versão recém-remasterizada do álbum original também estão presentes, adicionando profundidade ao extraordinário conjunto.

A “Super Deluxe Edition” também contém duas cativantes performances ao vivo. A primeira, gravada em 9 de março de 1972, no Paris Theatre em Londres, captura a presença inigualável do grupo durante a turnê de Machine Head. A segunda, inédita, foi gravada em abril de 1971 no Casino de Montreux, na Suíça. A banda planejava gravar Machine Head lá em dezembro, mas o local pegou fogo bem antes das sessões começarem, um evento imortalizado em Smoke On The Water.

Após o ocorrido, o guitarrista Ritchie Blackmore, o tecladista Jon Lord, o cantor Ian Gillan, o baixista Roger Glover e o baterista Ian Paice se mudaram para o vizinho Grand Hotel (vazio para a temporada de inverno) para gravar o álbum. Apesar do caos, a banda conseguiu criar seu álbum mais bem-sucedido até então, liderando as paradas de álbuns do Reino Unido e alcançando o Top 10 nos EUA, conquistando uma certificação de platina dupla em 1986.

Autor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social Media


Assine nossa newsletter!

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.


Últimas notícias

Publicidade